"Depois da batalha aparecem os valentes"

 


VIA  SACRA

Introdução 

Jesus na véspera da tua paixão, disseste a teus apóstolos. "Vós sois os que ficastes comigo em minhas tribulações"...
Eu te dou graças por poder estar contigo e acompanhar-te em tua Via Sacra.
Que minhas palavras não sejam vãs, mas que, meditando sobre teus sofrimentos, elas me levem, de fato, a seguir-te nesse caminho que trilhaste por mim e pela humanidade inteira.
Que eu tenha a certeza de que o teu caminho é o único que leva à vida.
Tu carregaste com amor tua cruz, Jesus. Dá-me coragem e esperança para perceber que vale a pena lutar e sofrer para conquistar a Salvação.
Que a tua ressurreição seja o penhor da minha ressurreição.
Amém.

"A via Sacra pode ser rezada também em casa em viagem no trem, no ônibus, no metrô"...

ALMA DE CRISTO 

Alma de Cristo santificai-me.
Corpo de Cristo Salvai-me.
Sangue de Cristo, Inebriai-me.
Água do lado de Cristo, lavai-me.
Paixão de Cristo, confortai-me.
O bom Jesus, ouvi-me.
Dentro de vossas chagas, escondei-me.
Não permitais que me separe de vós.
Do espírito maligno defendei-me.
Na hora da morte, chamai-me e mandai-me ir para vós, para que com os vossos Santos vos louve por todos os séculos dos séculos.
Amém.

I Estação: Jesus é condenado à morte.

Jesus, aceita com submissão e amor a sentença que o condena à morte, pois foi através de sua morte que nos veio a Redenção.
Senhor, foi o meu pecado que Te obrigou a carregar a cruz. Faze com que eu me arrependa de meus pecados e me converta.

 

II Estação: Jesus recebe a cruz.

Sem murmurar, Jesus recebe sobre seus ombros a pesada cruz, onde vão os pecados e misérias de toda a humanidade.
Senhor, quero ser teu discípulo. Dá-me forças para carregar a minha cruz, fazendo dela um meio para chegar junto a Ti

 

III Estação: Jesus cai por terra pela primeira vez

Jesus caminha cansado e abatido sob o peso da cruz. Seu corpo está coberto de sangue, suas forças esmorecem e Ele cai por terra.
Foram os meus pecados, Jesus, que Te fizeram cair sob o peso da cruz. Fortalece a minha fé para que eu não caia mais no pecado.

 

IV Estação: Jesus se encontra com sua Mãe.

Quem poderia conter as lágrimas, ao contemplar essa cena ? Jesus encontra-se com Maria, sua Mãe. Mãe e Filho se abraçam em meio à dor.
Fui eu, senhora que cravei essa espada de dor em Teu coração. Foi o meu pecado que fez Jesus sofrer. Fui eu que Te fiz chorar, Mãe.

 

V Estação: Jesus recebe ajuda do Cirineu.

Jesus, na sua humildade, permite que um estranho, à contragosto, o ajude a carregar sua pesada cruz, rumo ao cimo do Monte Calvário.
O Cirineu carregou forçado a tua cruz, Senhor! Tu carregaste a minha cruz com tanto amor. Que meu amor ajude a tornar a tua cruz mais leve.

 

VI Estação:  Verônica enxuga o rosto de Jesus.

Uma mulher vence o medo e enfrenta os ferozes guardas romanos e, com um lenço, enxuga o rosto ensangüentado de Jesus.
Senhor, assim como deixaste teu rosto impresso no pano da Verônica, deixa também em minha alma os sinais do teu sofrimento e do teu amor.

 

VII Estação: Jesus cai pela segunda vez.

Sob o peso esmagador da cruz, Jesus cai mais uma vez. Mas a força de seu amor o faz levantar-se e seguir rumo ao Calvário.
Foi o peso de meus pecados que Te fez cair novamente, Jesus. Tu caíste para fortalecer a minha fé, para que eu seja forte ante a tentação.

 

VIII Estação: Jesus consola as mulheres.

Jesus esquece, por um momento, os seus próprios sofrimentos para abrir seu coração e consolar as mulheres que choravam.
Ó amável Jesus, consolador dos aflitos, que eu também mereça ouvir de teus lábios palavras de consolo que me levem à vida eterna
.

 

IX Estação: Jesus cai pela terceira vez.

Humilhado por tantos sofrimentos, Jesus, ao chegar junto ao cimo do Calvário, cai com o rosto por terra, sob o peso da cruz.
Jesus, Tu te humilhas ao extremo para que eu, pobre pecador, possa ter a dignidade de ser chamado "Filho de Deus"

 

X Estação: Jesus é despojado de suas vestes.

Jesus é humilhado na sua dignidade divina, nos seus direitos humanos ao ser despojado de suas vestes.
Dá-me, Jesus, o espírito da tua pureza, para que eu possa despojar-me do pecado para revestir-me com a veste da tua graça e do teu amor.

 

XI Estação: Jesus é pregado na cruz.

Os pregos ferem a carne divina de Jesus. A cruz é levantada e o nosso Salvador fica suspenso entre o céu e a terra.
Jesus, que o teu sangue bendito purifique até o mais íntimo de minha alma e me faça viver a vida nova que vieste trazer com a tua redenção.

 

XII Estação: Jesus morre na cruz.

"Tendo dado um grande grito, Jesus expirou". "Ele penetra na morte para que todos tenham vida e a tenham plenamente".
Fere-me de amor, eu Te suplico, Jesus, fere-me de amor para que eu possa contemplar tão sublime mistério: um Deus morrendo por mim.

 

XIII Estação: Jesus é descido da cruz e Maria o recebe morto.

Ó vós que passais pelo caminho, parai e vede se existe dor igual a dor desta mãe que recebe agora em seus braços o Filho morto.
Ó mãe das Dores, que choras sobre o Teu Filho, morto pelos meus pecados, alcança-me o sincero arrependimento de minhas faltas e minha conversão.

 

XIV Estação: Jesus é colocado no sepulcro.

O sepulcro de Cristo é fonte de esperança. É silêncio prometedor de vitórias. Morrendo, Jesus venceu a morte e deu-nos a vida verdadeira.
Quisera eu, Jesus, ser sepultado contigo, para que, morto para o pecado e para o mundo, pudesse ressuscitar para viver em plenitude.

 

XV Estação: Ressurreição de Jesus.

Ressuscitaste, Senhor. Ressuscitaste na pureza inefável do esplendor sem par. Ressuscitaste para me dizer, com linguagem esplendorosa, eloqüente e silenciosa, essa linguagem que brota de tua glória, que não me fizeste para o sofrimento.

Ressuscitaste para me dizer que no plano de sabedoria infinita do Pai, o sofrimento não é um fim, é um meio; o Calvário é um caminho e não a meta suprema.

Ressuscitaste, Senhor, para me arrastar com o teu exemplo e encorajar-me na caminhada áspera de minha frágil existência terrena, para dar sentido de conquista a meus dias.

Cristo Ressuscitado dá-me luz suficiente e força eficaz para ajoelhar-me aos pés da tua cruz e viver o mistério do teu amor redentor.           Aleluia!   Amém!